Ministério da Saúde discute ampliação da cobertura do SUS para pacientes com doenças raras.

Quinta, 04 Março 2021 

Até 15 de março está aberta consulta pública para inclusão de tratamento para esclerose múltipla


O Ministério da Saúde tem discutido a inclusão de tratamentos para pacientes com doenças raras como a Esclerose Múltipla e Doença de Pompe na cobertura do Sistema Único de Saúde (SUS), por meio da Comissão Nacional de Incorporações de Tecnologias (CONITEC). Por isso, a partir da discussão e do parecer da CONITEC, está aberta consulta pública para avaliar a inclusão de tratamento para pacientes com esclerose múltipla em: http://conitec.gov.br/consultas-publicas.


Até 15 de março, sociedades médicas, profissionais de saúde, cuidadores, associações de pacientes e toda a sociedade podem contribuir com sua opinião sobre a inclusão dessas terapias no sistema de saúde pública.


Os pacientes com doenças raras esperam, em média, até 7,2 anos para receber o diagnóstico exato da patologia que enfrentam[i]. Em todo o mundo, pacientes consultam mais de 7 médicos antes de receber um diagnóstico preciso, de acordo com pesquisa do Journal of Rare Disorders (JRD)[ii]. 

A maioria dos sintomas podem ser confundidos com os de outras enfermidades, retardando o diagnóstico correto e atrasando o início do tratamento, além de impactar no controle da evolução da doença e na qualidade de vida do paciente.


Cerca de 13 milhões de brasileiros são acometidos por doenças raras, segundo pesquisa da Interfarma[iii]. De 50% a 70% das pessoas afetadas por estas enfermidades são crianças[iv]. Atualmente, existem de 5.000 a 7.000 tipos destas doenças5. Estes números seguem aumentando regularmente, já que, com frequência, são descritas novas doenças raras na literatura médica[v].


Importância da divulgação de informações


A vice-presidente do Instituto Vidas Raras, Regina Prospero, passou pela experiência da mucopolissacaridose (MPS) com o diagnóstico de dois filhos e destaca o valor do conhecimento sobre as doenças raras. “A maior dificuldade que vivenciei foi a falta de informação, essencial para a ampliação do diagnóstico e consequentemente dos pacientes em tratamento e com maior qualidade de vida”, conta. Foi a partir dessa experiência materna que nasceu o Instituto Vidas Raras.


“É importante conscientizar a respeito dos sinais e sintomas das doenças e tratamentos, além de auxiliar na capacitação dos médicos sobre o diagnóstico precoce”, avalia Jefferson Becker, diretor presidente do Comitê Brasileiro de Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla e Doenças Neuroimunológicas (BCTRIMS).


Sobre a consulta pública da ConitecX


Para conferir as consultas públicas abertas, acesse: http://conitec.gov.br/consultas-publicas É possível realizar dois tipos de contribuição: a Técnico-Científica, por meio de observações técnicas sobre segurança, eficácia e custo-efetividades, ou a de Experiência ou Opinião, voltada para pacientes, cuidadores, amigos e familiares comentarem sobre a convivência com a doença em questão. Caso as terapias sejam incluídas no SUS, o sistema de saúde passará a fornecer o medicamento para os pacientes com esclerose múltipla.


Sobre algumas doenças raras


Esclerose Múltipla

A esclerose múltipla é uma doença neurológica, crônica, progressiva e autoimune. Comumente diagnosticada em pacientes entre 20 e 40 anos, afeta o cérebro, olhos e medula espinhal[vi]. Isso acontece porque o nosso sistema imunológico confunde as células saudáveis da bainha protetora dos nervos como “células invasoras”, e começa a ataca-las, corroendo e provocando lesões na bainha de mielina6.


Doença de Pompe

É uma doença genética progressiva rara cujo diagnóstico demora, em média, de 7 a 9 anos[vii]. Causada pela deficiência na atividade da enzima alfaglicosidade ácida (GAA), gera o acúmulo gradativo de glicogênio em células musculares e interfere na função celular. Consequentemente, o indivíduo apresenta fraqueza muscular que afeta a movimentação, a respiração e a função cardíaca[viii].


Doença de Gaucher

Pacientes da Doença de Gaucher podem ver seus sintomas surgirem a qualquer momento ao longo da vida. No entanto, a maioria dos casos aparece até a adolescência[ix]. O diagnóstico pode demorar até 10 anos e aproximadamente 25% dos pacientes não têm acesso ao tratamento adequado por conta do diagnóstico tardio9.


Doença de Fabry

A Doença de Fabry, uma doença genética rara crônica, progressiva e hereditária. Isso porque os pacientes herdam um gene com uma mutação que o torna incapaz de produzir quantidade suficiente de uma enzima chamada alfa galactosidase A (α-Gal A). Os estudos mostram que os pacientes costumam passar aproximadamente 15 anos desde o início dos sintomas até o diagnóstico[x].


MPS

Sintomas e sinais como baixa estatura, contraturas articulares, opacidade de córneas, aumento da língua, baço e fígado costumam aparecer durante a primeira infância11. Em função da variedade de sintomas, há dificuldade no diagnóstico de MPS e muitos pacientes passam por mais de 10 consultas médicas até serem encaminhados para o especialista correto[xi].


PTTa

É uma desordem sanguínea rara que causa coágulos em pequenos vasos sanguíneos em todo o corpo[xii]. Estes pequenos coágulos podem bloquear o fluxo para os principais órgãos, como os rins, cérebro ou coração12.

FONTE:https://www.segs.com.br/saude/278423-ministerio-da-saude-discute-ampliacao-da-cobertura-do-sus-para-pacientes-com-doencas-raras

Por que homens idosos têm mais problemas urinários e quando procurar ajuda.

 03/03/2021 



Com o avanço dos anos, a preocupação com a saúde se torna mais necessária e presente na vida de homens e mulheres. Para os idosos, a frequência de consultas e exames de rotina tende a aumentar, uma vez que a idade é um fator de risco para muitas doenças e o acompanhamento deve ser mais habitual e cuidadoso.


Segundo a SBU (Sociedade Brasileira de Urologia), os idosos têm maior risco de desenvolver doenças urológicas a partir dos 65 anos, sendo 10% dos homens e 20% das mulheres nessa faixa etária acometidos. 

A partir dos 80, o risco está relacionado a quadros com poucos sintomas, que dificultam um diagnóstico precoce e até mesmo diminuem a chance de sucesso do tratamento. 

Dentre as doenças do trato urinário que mais afetam a terceira idade, destacam-se, além da infecção urinária, as alterações no hábito urinário. A bexiga hiperativa, também conhecida como "bexiga irritada", é uma das principais causas de alteração da micção nesta população, e se apresenta como a vontade repentina e urgente de urinar.


A infecção urinária é uma das doenças que mais incomodam as pessoas acima dos 60 anos, que pode ser mais comum nas mulheres mais jovens, mas que se torna comum também dentre os homens a partir desta idade. Nos homens, o aumento benigno da próstata —que não significa a presença de tumores— é uma das principais causas de incômodo urinário. Apesar do rastreio e acompanhamento para detecção precoce do câncer de próstata ser importante por este ser a doença maligna mais comum dentre os homens, o crescimento benigno da próstata é uma condição extremamente comum podendo acometer até 50% dos homens a partir dos 50 a 60 anos.


Identificando os problemas urinários.


Para um diagnóstico precoce e tratamento eficiente, é importante procurar um médico assim que perceber mudanças na rotina de ir ao banheiro, seja para mais, seja para menos. Mais recomendado ainda é ter um acompanhamento com o urologista, especialidade que trata do sistema urinário, de modo a entender o que são padrões urinários aceitáveis ou não, e poder receber o tratamento adequado quando indicado sem atraso e prejuízo da qualidade de vida do homem.


O urologista Willy Baccaglini explica quais são as principais queixas dos idosos nas consultas: 


"Nos homens, levantar-se durante a noite para urinar é a queixa mais comum. A partir dos 50 anos, os homens diminuem a produção do hormônio antidiurético e, naturalmente, começam a urinar com mais frequência durante a noite. Um idoso urinar até duas vezes é normal, uma vez que a produção do hormônio diminui", detalha. 


Além disso, o especialista pontua um caso que requer atenção.


"Quando um homem se levanta a noite muitas vezes para urinar, principalmente aqueles mais jovens, com 40 a 50 anos, tendo que produzir no trabalho no dia seguinte sem um sono de qualidade, isso pode se tornar um grande problema. Além do jato fraco, a incapacidade de esvaziar totalmente a bexiga é outro sintoma comum", afirma, ressaltando que a frequente vontade de urinar de repente é um dos sintomas mais alarmantes e incômodos para o homem. 

Estatisticamente, as mulheres sofrem mais com problemas no trato urinário, sendo esse número ainda mais significativo com o avanço da idade.


Além de outros fatores, a menopausa pode acabar contribuindo para o desenvolvimento da incontinência urinária. "Isso ocorre porque a mulher deixa de produzir estrogênio, que pode se relacionar ao enfraquecimento na musculatura do assoalho pélvico, o que torna mais difícil conter a urina e contribuir para o surgimento da incontinência", explica Baccaglini.


Prevenção ajuda a evitar quadros graves.

 Fazer check-up regularmente e ter um acompanhamento médico antes de identificar algo de errado no corpo é o primeiro passo para garantir uma vida mais saudável. Culturalmente, as mulheres costumam frequentar mais o médico, enquanto os homens tendem a evitar.


Os números das pesquisas comprovam: segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 69% dos homens procuraram um médico em 2019. Em comparação, 82% das mulheres se consultaram no mesmo ano. No caso do trato urinário, o exame de próstata, por exemplo, ainda é um tabu para muitos, o que pode prejudicá-los, conforme explica o urologista.


"O homem, por essa questão menos permissiva de autocuidado, normalmente se acostuma com os sintomas que se instalam ao longo dos anos. Quando ele percebe, já está urinando muito mal, mas já se acostumou a viver dessa forma" explica Baccaglini, ressaltando que, urinar muitas vezes durante o dia é um mau sinal, pois a bexiga pode não estar sendo esvaziada da maneira correta.


Algumas das principais causas de infecção urinária são naturais do corpo humano, como o caso do crescimento da próstata nos homens e a menopausa nas mulheres. 


Na população feminina, o número de partos e a forma como foi a assistência aos partos também podem interferir. Em outros casos, obesidade, diabetes e doenças coronarianas podem colaborar para o surgimento de problemas urinários e esses, sim, podem ser evitados, senão ao menos o controle destes fatores pode facilitar o tratamento caso surjam os sintomas urinários.


Interferências neurológicas 

Outro fator que se relaciona com as doenças urinárias, principalmente a ITU, é o surgimento de doenças neurológicas, como Alzheimer, esclerose múltipla ou AVC. Esse tipo de doença pode desregular o funcionamento da bexiga, trazendo complicações no funcionamento do trato urinário.


"A bexiga depende da coordenação entre cérebro, medula e a própria bexiga. A bexiga é um órgão que age, mas também transmite sinais para o cérebro entender o que está acontecendo lá embaixo. Esses sinais são transmitidos da bexiga para o cérebro e do cérebro para a bexiga através da medula. E quando há alguma doença neurológica seja no cérebro (como um AVC), seja na medula (como a esclerose múltipla), o paciente pode vir a desenvolver sintomas urinários", detalha o especialista. A saúde e o bem-estar dos idosos são reflexo dos hábitos de uma vida inteira. Para evitar infecções urinárias ou problemas de micção, fica clara a importância da prevenção e acompanhamento,  que garantem uma maior qualidade de vida na terceira idade e um envelhecimento mais saudável.

FONTE:https://www.uol.com.br/vivabem/noticias/redacao/2021/03/03/por-que-homens-idosos-tem-mais-problemas-urinarios-e-quando-procurar-ajuda.htm


Investigadores portugueses em projecto europeu para acelerar medicamentos inovadores.

2 de Março de 2021



Ao todo, são dez os cientistas portugueses que participam no projecto, que terminará em 2025.


Um grupo de investigadores portugueses está a trabalhar num projecto europeu, financiado em 25,5 milhões de euros, para acelerar o desenvolvimento de medicamentos inovadores, com potencial para tratar ou reduzir necessidades terapêuticas em doenças como cancro ou degenerativas.


O anúncio foi feito pelo iBET - Instituto de Biologia Experimental e Tecnológica, em Oeiras, uma das instituições científicas portuguesas que, a par com o Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) da Universidade de Coimbra, está a trabalhar neste projecto co-liderado pela Universidade de Sheffield e pela empresa farmacêutica Pfizer.


Designado ARDAT (Accelerating Research & Development for Advanced Therapies), este projecto de investigação europeu visa acelerar o desenvolvimento de medicamentos de terapia avançada (ATMP, na sigla inglesa), que mais não são do que fármacos inovadores de origem biológica, com grande potencial para tratar doenças que requerem soluções personalizadas e de medicina regenerativa, como as doenças crónicas (por exemplo, cancro), as doenças raras (doença de Crohn ou hemofilia) e as doenças degenerativas (caso de Alzheimer ou esclerose múltipla).


Os ATMP apresentam a vantagem de “eliminar ou reduzir significativamente a necessidade de tratamento prolongado, permitindo uma melhoria significativa na qualidade de vida dos pacientes”, referem os investigadores.


Na prática, este projecto pretende desenvolver modelos preditivos da resposta dos pacientes àqueles medicamentos, compreender como são processados pelo organismo e identificar mecanismos pelos quais o sistema imunitário do paciente pode reagir e comprometer a eficácia e segurança do tratamento.


É aqui que as entidades portuguesas envolvidas no projecto têm um papel “fundamental”: avaliar a imunogenicidade de produtos de terapia génica (ou genética), ou seja, a capacidade daqueles medicamentos desencadearem uma resposta imunitária do organismo.


A equipa de Coimbra será responsável pela produção de diferentes vectores de terapia génica, cuja resposta imunitária e toxicidade será avaliada em Oeiras, recorrendo a modelos celulares 3D de tecido neurológico humano, regressando em seguida novamente a Coimbra para avaliação em modelos animais de doença.


Segundo Luís Pereira de Almeida, professor da Universidade de Coimbra e presidente do CNC, nos últimos anos tem-se verificado um aumento do número de terapias génicas e celulares em ensaios clínicos. “É do interesse de todos, investigadores, doentes, indústria e agências reguladoras, conhecer em detalhe a resposta do organismo a estes medicamentos por forma a adaptar a terapêutica e maximizar eficácia e segurança dos tratamentos”, destaca o responsável.


Para Catarina Brito, investigadora principal do iBET, “uma das grandes mais-valias deste projecto é a partilha de conhecimento”, porque esta é uma área em que o desenvolvimento foi feito inicialmente por grupos académicos e pequenas empresas de biotecnologia, e que só recentemente (há cerca de cinco anos) é que foi abraçada pela grande indústria farmacêutica. “Por isso, o desenvolvimento tem sido muito rápido, mas o conhecimento está muito fragmentado pelos vários tipos de organizações”, afirma a investigadora, explicando que “este projecto pretende colmatar esta limitação, reunindo os vários intervenientes para partilha de experiência e desenvolvimento de procedimentos estandardizados”.


Desta equipa internacional e multidisciplinar fazem também parte as entidades reguladoras, factor “crucial para a adopção de procedimentos estandardizados para a avaliação de segurança e eficácia dos ATMP que precede a sua aprovação”, destaca o iBET.


O projecto ARDAT é um consórcio com a duração de cinco anos, apoiado pela Iniciativa sobre Medicamentos Inovadores (IMI), um programa criado em 2007 e co-financiado pela União Europeia e pela Federação Europeia da Indústria Farmacêutica e Associações (EPFIA).


O objectivo da IMI, que financiou este projecto em 25,5 milhões de euros, é gerar conhecimento sobre o modo de acção dos ATMP, contribuindo para a definição de normas e padrões adequados, que ajudem a acelerar o desenvolvimento dos medicamentos inovadores e a sua disponibilização aos pacientes, garantindo a sua eficácia e segurança.


Ao todo, são dez os investigadores portugueses (cinco de cada instituto) que participam no projecto europeu ARDAT, que oficialmente arrancou a 1 de Novembro de 2020 e terminará a 31 de Outubro de 2025.

FONTE:https://www.publico.pt/2021/03/02/ciencia/noticia/investigadores-portugueses-projecto-europeu-acelerar-medicamentos-inovadores-1952683

SUAR DURANTE A NOITE É UMA DOENÇA ? DESCUBRA AQUI.

27 de Fevereiro, 2021


Suar muito durante a noite não tem de ser sinónimo de doença. O aumento da temperatura corporal que está na sua origem pode ser causada por diversos fatores, como a prática de exercício físico, a temperatura ambiente, o consumo de alguns alimentos, como a pimenta, gengibre, álcool e cafeína – conhecidos por serem termogénicos – ou ainda pela utilização de determinados medicamentos. 

Sabe-se, por exemplo, que alguns antipiréticos, anti-hipertensivos e antipsicóticos promovem o aumento da temperatura corporal.


Por outro lado, as oscilações hormonais que ocorrem em períodos pré-menstruais, ou durante a menopausa, são capazes de aumentar a temperatura basal do corpo e provocar episódios de sudorese. Uma condição benigna que tende a passar com o tempo e que atinge também o sexo masculino. 

De acordo com vários estudos, cerca de 20% dos homens com mais de 50 anos podem sofrer de suores noturnos, um sintoma associado à andropausa, como consequência da queda dos níveis de testosterona.

No entanto, caso este sintoma seja intenso e não apresente uma causa aparente deve procurar conselho médico, uma vez que a sudorese pode sintoma de um problema de saúde mais ou menos grave.


É o caso de algumas infeções, agudas ou de evolução crónica, como a Tuberculose, a Histoplasmose, Endocardite, VIH ou Absesso Pulmonar que, para além de sudorese noturna, apresenta outros sintomas associados como a febre, a perda de peso, fraqueza ou a presença de gânglios inchados.


Por outro lado, os picos de hipoglicemia que atingem os doentes diabéticos podem estar na origem dos suores noturnos.


A apneia do sono pode ser outra das causas de sudorese noturna. Este distúrbio do sono, em que a pessoa para de respirar, por alguns segundos, diversas vezes durante a noite, é potencialmente grave e muitas vezes subdiagnosticado. A queda de oxigenação do sangue decorrente leva a ativação do sistema nervoso e pode provocar suores noturnos.


Por outro lado, algumas doenças neurológicas podem também estar na origem deste problema. Alguns distúrbios do sistema nervoso autónomo, responsável pelo controlo de funções que não dependem da nossa vontade, como é o caso da respiração, pressão arterial, respiração ou temperatura do corpo, podem provocar sintomas como sudorese, queda súbita de pressão ou palpitações, por exemplo.


Doenças como Parkinson, Esclerose Múltipla, Alzheimer, tumores cerebrais ou outras doenças genéticas, cardiovasculares ou endócrinas estão intimamente ligadas a estas alterações do sistema nervoso autónomo.

Também alguns tipos de cancro podem apresentar como sintoma frequente o suor noturno. É o caso do linfoma e leucemia. Perda de peso, gânglios aumentados e baixa imunidade são alguns dos sintomas associados.

FONTE:https://radioregional.pt/suar-durante-a-noite-e-uma-doenca-descubra-aqui/

Miastenia: Doença Rara de difícil diagnóstico e sem cura.

Sexta, 26 Fevereiro 2021

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), uma doença é considerada rara quando atinge até 65 pessoas em cada 100 mil indivíduos


A Miastenia é uma doença neuromuscular caracterizada pela súbita interrupção da comunicação natural entre nervos e músculos, causando fraqueza muscular e dificultando - ou até impedindo - que a pessoa execute movimentos de forma voluntária.


Pouco conhecida, de difícil diagnóstico e sem cura, a Miastenia se manifesta de formas diferentes, sendo que a mais conhecida é a Miastenia Gravis.

Trata-se de uma doença autoimune que se manifesta porque o sistema imunológico ataca erroneamente a mesma junção do nervo com o músculo, que nasceu saudável. Por isso, a maior parte dos casos desse tipo de miastenia acomete pessoas entre 30 e 60 anos, embora também se apresente em pessoas mais jovens, com maior prevalência em mulheres.


De acordo com o Dr. Eduardo Estephan, médico neurologista e diretor científico da Abrami (Associação Brasileira de Miastenia), a Miastenia Gravis tem como principais sintomas a fraqueza nos músculos dos braços e das pernas, fadiga extrema, pálpebras caídas, visão dupla, dificuldade para falar, mastigar e engolir. “Os sintomas são facilmente confundidos com outras patologias, como esclerose múltipla e ELA (esclerose lateral amiotrófica) e até mesmo os pacientes costumam ter dificuldades em descrever os episódios que experimentam em alguns momentos do dia”, explica o especialista.


Síndrome Miastênica Congênita (SMC) ou Misatenia Congênita


Muito semelhante à Miastenia Gravis é a Síndrome Miastênica Congênita (SMC) ou Miastenia Congênita, distúrbio hereditário em que um ou mais genes são alterados desde a concepção do bebê, afetando a junção entre o nervo e o músculo. Por ser uma doença hereditária, é ainda mais rara que a Miastenia Gravis, embora ambos os tipos causem fadiga extrema e fraqueza muscular.


Diferente da Miastenia Gravis, os sintomas da Miastenia Congênita começam na infância e também incluem fadiga extrema e fraqueza muscular. Entretanto, há casos em que eles aparecem somente na adolescência ou na fase adulta. Quanto mais cedo sua manifestação, provavelmente mais graves serão os sintomas, que variam muito de paciente para paciente, assim como costumam ser flutuantes no decorrer do dia e conforme o esforço no grupo muscular.


Os defeitos genéticos que levam à Síndrome Miastênica Congênita podem ocorrer em diferentes locais da junção neuromuscular, por isso a doença é classificada em diferentes tipos. A maioria dos casos é do tipo chamado pós-sináptico, em que o defeito é na parte muscular da junção. Há vários subtipos encontrados em casos pós-sinápticos, e sua identificação correta é o que definirá o tratamento adequado para o paciente.


Além do pós-sináptico, há mais dois tipos: o sináptico, que se manifesta quando há um problema entre o músculo e o nervo; e o pré-sináptico, mais raro, quando o defeito ocorre nas terminações nervosas, ou seja, nos nervos da junção.


Se tanto o pai quanto a mãe têm uma cópia defeituosa do gene, esse casal tem 25% de chances de gerar um filho com a síndrome. Isso é considerado bem raro, com chance menor que 1% em cada um, portanto a criança terá a doença somente se herdar a cópia do gene do pai e da mãe. Esse tipo de herança é chamado autossômica recessiva. A Síndrome Miastênica Congênita também pode passar para um feto através de herança autossômica dominante, mas é ainda menos comum. Nesse caso, se um dos pais tiver o gene defeituoso com característica dominante e mesmo que o outro não porte qualquer defeito genético, o casal tem 50% de probabilidade de dar à luz a uma criança com a síndrome.


“Alguns estudos identificaram sintomas mais comuns desse tipo de Miastenia, como a redução de movimentos do feto, ainda no útero, ou do bebê após o nascimento, além de choro fraco, dificuldade para sugar e engolir durante a amamentação, além de dificuldades respiratórias”, explica o especialista Eduardo Estephan.


Durante o desenvolvimento da criança, um miastênico congênito pode demorar a engatinhar e sentar e, assim como na fase adulta, costuma caminhar com lentidão, apresentando dificuldades em exercer atividades do dia a dia, principalmente as que exigem algum esforço físico. Outros sintomas possíveis são infecções respiratórias frequentes, pálpebra caída, visão dupla, dificuldade de mastigação, pouca expressão facial, apneia (interrupção temporária na respiração) e escoliose (curvatura da coluna vertebral).


Síndrome de Lambert-Eaton


Outro tipo de Miastenia, ainda mais raro e associado a alguns tipos de câncer – principalmente de pulmão, em homens - é a Síndrome de Lambert-Eaton, também autoimune e causada por anticorpos que interferem na liberação do neurotransmissor acetilcolina (em vez de atacar os seus receptores, assim como na Miastenia Gravis).


Nesse caso, a fraqueza muscular tende a começar no quadril e nos músculos da coxa e depois se espalha para os músculos do ombro, descendo para os braços e as pernas até chegar às mãos e aos pés. Os nervos que conectam a cabeça, a face, os olhos, o nariz, os músculos e os ouvidos ao cérebro são os últimos a serem afetados.


Entre os principais sintomas estão a dificuldade de levantar-se de uma cadeira, subir escadas e andar. A força muscular pode melhorar temporariamente após os músculos serem usados repetidamente, mas depois eles enfraquecem novamente e se contraem em cãibra. Fadiga extrema, boca seca, pálpebra caída e dor nos braços e coxas completam o quadro.


Os tratamentos indicados pelo especialista


O ideal é que o diagnóstico seja feito por um neurologista, preferencialmente com experiência em miastenia, a partir de exames clínicos e alguns testes, que podem incluir DNA e biópsia muscular. “Cerca de 10% dos miastênicos podem ser tratados somente com medicamentos que combatem apenas os sintomas da doença, como fraqueza muscular, fadiga extrema, entre outros. No Brasil, só existe um medicamento eficaz com evidência científica, a piridostigmina. Esse medicamento de efeito imediato aumenta a quantidade de acetilcolina na junção entre o nervo e o músculo”, pontua o médico.


Nenhum tipo de miastenia tem cura. Entretanto, a Miastenia Gravis é tratada com corticoides e imunossupressores, sendo que a retirada do timo (timectomia) costuma ser bem sucedida nesse caso. Já a Miastenia Congênita não responde ao tratamento com esses medicamentos. Há diversas pesquisas, testes com medicamentos e tratamentos em desenvolvimento com base em terapia genética para corrigir ou substituir os genes defeituosos. Enquanto isso, os portadores devem seguir as recomendações médicas e ter a fisioterapia como suporte para combater a fraqueza muscular e melhorar o sistema respiratório.

FONTE:https://www.segs.com.br/saude/277455-miastenia-doenca-rara-de-dificil-diagnostico-e-sem-cura

Governo federal cria comitê para tratar de doenças raras.

26/02/2021

A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, empossou, nesta quinta-feira (25) o Comitê Interministerial de Doenças Raras. Criado em dezembro de 2020, o colegiado será coordenado pela pasta e contará com representantes dos ministérios da Saúde, da Economia, da Cidadania, da Ciência, Tecnologia e Inovações, da Casa Civil, e da Educação.


O Comitê atuará no desenvolvimento de políticas que resultem em melhor qualidade de vida para pessoas com doenças raras. 

Também formulará estratégias para a coleta, processamento, sistematização e disseminação de informações sobre essas doenças, além de incentivar a atuação em rede dos centros especializados, dos hospitais de referência e dos demais locais de atendimento às pessoas com doenças raras da rede pública.


“Esse comitê tem metas, tem plano de trabalho e tem objetivo, porque a vida não espera e, lá na ponta, estamos com crianças gritando de dor. Temos mães e pais em profundo desespero e a gente não pode mais esperar para dar respostas para esse povo querido”, disse Damares Alves.


Para primeira-dama da República, Michelle Bolsonaro, a campanha vai facilitar e engajar uma rede de voluntariado em prol das famílias e dos pacientes. “Nosso propósito aqui é compartilhar informação e fomentar conhecimento. Dessa forma estamos contribuindo para diminuir o preconceito relacionado a essas doenças”, afirmou Michelle.


Durante o evento, também foi anunciada a inclusão do rol “doenças raras” nos canais de atendimento da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos, do MMFDH. Também foi lançada a campanha Seja um Voluntário Raro, do Programa Pátria Voluntária. [https://ouvidoria.mdh.gov.br/]


Doenças Raras

O último dia do mês de fevereiro é celebrado o Dia Mundial e Dia Nacional das Doenças Raras. A data foi criada em 2008 pela Organização Europeia de Doenças Raras (Eurordis) para sensibilizar governantes, profissionais de saúde e população sobre a existência e os cuidados com essas doenças.

 O objetivo é levar conhecimento e buscar apoio aos pacientes, além do incentivo às pesquisas para melhorar o tratamento.


De acordo com Ministério da Saúde, pelo menos 13 milhões de brasileiros têm alguma doença rara. No mundo cerca de 8% da população tem algum dos 6 a 8 mil tipos de doenças consideradas raras em todo o mundo, entre enfermidades de origem genética e não genética.


Entre as doenças já contempladas pelo SUS estão a acromegalia, a artrite reativa, a doença de Crohn, a doença de Gaucher, a doença de Paget, a Doença falciforme, a ESCLEROSE MÚLTIPLA, a fibrose cística, entre outras. Atualmente, o SUS adota a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras, que formaliza desde 2014 a rede de atendimento para prevenção, diagnóstico, reabilitação e tratamento.


Considera-se doença rara aquela que afeta até 65 pessoas em cada grupo de 100.000 indivíduos, ou seja, 1,3 pessoas para cada 2.000 indivíduos. Segundo Ministério da Saúde, o número exato de doenças raras não é conhecido, mas estima-se que existam entre 6.000 a 8.000 tipos diferentes de doenças raras em todo o mundo.

FONTE:https://www.regiaonoroeste.com/materias/1026131/Governo_federal_cria_comite_para_tratar_de_doencas_raras/

Governo de MG confirma falta de remédio contra esclerose múltipla.

23/02/2021


Cloridrato de fingolimode é usado no tratamento da esclerose múltipla.Pacientes estão há dois meses sem receber o cloridrato de fingolimode, que pode custar até R$ 5.000; falta de uso pode causar danos nos portadores da doença


Usado para combater a esclerose múltipla, o cloridrato de fingolimode está em falta há pelo menos dois meses em Minas Gerais. A ausência do medicamento foi confirmada pela Secretaria de Estado de Saúde, que responsabiliza o governo federal pelo desabastecimento e prevê a normalização na distribuição das cápsulas nos próximos dias. Enquanto isso, quem depende do remédio tem enfrentado dificuldades e preocupações. 


É o caso da jornalista aposentada Maria Beatriz Nazaré de Lima, que encara a doença crônica há 17 anos. Autoimune, a esclerose múltipla é capaz de afetar a comunicação entre o cérebro e o corpo, em razão dos danos causados aos nervos. “Descobri quando fui passar férias na praia e lá eu comecei a ficar muito cansada, dormia bastante. Na volta, ia dirigir, mas não aguentei, porque estava com a visão dupla, que é um sinal característico. Entre os sintomas, eu levei muito tombo e, quando ia assinar cheque, por exemplo, a letra ficava um garrancho. Tive outro sintoma clássico em 2003, a parestesia, o lado esquerdo do meu rosto começou a formigar e depois passou para o corpo todo", contou.


Em novembro do ano passado, ela apresentou reações adversas ao remédio que usava e passou a precisar do cloridrato de fingolimode, mas não recebeu o medicamento desde então.  “Estou há sete anos sem surto, mas não poderia continuar tendo reação, que variava de dores fortes na coluna por cerca de 40 minutos e calafrios, e nem ficar sem o medicamento. Então, segui um protocolo, entre papeladas e exames, para requerer o direito ao cloridrato de  fingolimode, tive o pedido aceito, mas, mesmo com dias na fila de espera, não recebi o medicamento. Estou há dois meses sem fazer o tratamento que preciso por conta disso”, conta. 


"Mesmo com dias na fila de espera, não recebi o medicamento. Estou há dois meses sem fazer o tratamento que preciso por conta disso."

Maria Beatriz Nazaré de Lima, 57 anos, jornalista aposentada


Governo federal garante já ter regularizado situação


Em contato com o Estado de Minas, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) informou que o estoque do cloridrato de fingolimode 0,5 mg cápsula, fornecido pelo Ministério da Saúde (MS), encontra-se desabastecido. “Entretanto, o Ministério da Saúde informa que o processo de compras já tramita em sua fase final. Tão logo o medicamento seja entregue, a SES-MG vai autorizar a distribuição a todas Regionais de Saúde do Estado”, completou a SES-MG. 


Segundo o Ministério da Saúde, o envio da pauta de distribuição do medicamento já foi realizado e a previsão é que o abastecimento seja regularizado nos próximos dias. “O medicamento era adquirido pelo Ministério da Saúde junto à empresa Novartis. Contudo, em 30 de outubro de 2020, nas vésperas da assinatura de novos contratos com a empresa, foi proferida uma sentença julgando a nulidade da patente PI0409250-3, resultado de sentença judicial disputada por empresas farmacêuticas no país", disse o ministério em nota.  


“Dessa forma, a pasta, obrigatoriamente, teve que dar continuidade ao processo aquisitivo do medicamento na modalidade pregão eletrônico por sistema de registro de preços. A Ata de Registro de Preços foi publicada no Diário Oficial da União em 19 de janeiro de 2021 e o novo contrato já foi assinado pelo representante legal da empresa vencedora da licitação. Cabe esclarecer que, além do fingolimode 0,5 mg, o Ministério da Saúde disponibiliza, para o tratamento da esclerose múltipla, a betainterferona, fumarato de dimetila, acetato de glatirâmer e teriflunomida, todos com o abastecimento regular”, alegou a pasta. 


Suspensão de tratamento pode levar a danos graves


Segundo o neurologista e médico responsável pelo caso de Maria Beatriz, Guilherme Isaac Schreiber Litwinski, o medicamento é crucial para o controle da doença, haja vista seu caráter preventivo. “Ela é uma paciente que tem doença crônica. Então, esse medicamento é usado como forma de evitar que a doença fique em atividade. E esse fármaco, por ser caro, é fornecido pela Secretaria de Estado de Saúde, mas por algum problema de distribuição não foi reposto. O medicamento custa em média R$ 5.000", detalhou.



As dificuldades não param por aí, aponta Maria Beatriz. “Eu estou sem medicamentos e receio por continuar a tomar o remédio que vinha tomando e ter alguma reação adversa. E não tem nenhuma outra alternativa, porque ele não é vendido por aqui, e é muito caro para adquirir fora. Tem uma lógica de eu ganhar o remédio, que é muito mais caro eu desenvolver a doença e ficar internada do que se o governo pagar para eu ficar bem. É mais barato eu ficar bem do que desenvolver a doença", avaliou. 


"Realmente não pode estar em falta um medicamento como esse, tem muitas pessoas que utilizam e, na falta dele, há o risco de a pessoa ter um surto de esclerose múltipla e ficar com alguma sequela neurológica"

Guilherme Isaac Schreiber Litwinski, neurologista e médico responsável pelo caso da paciente

 

Os danos pela falta do tratamento podem ser graves, mesmo a paciente não apresentando surtos há cerca de sete anos. “Realmente não pode estar em falta um medicamento como esse, tem muitas pessoas que utilizam e, na falta dele, há o risco de a pessoa ter um surto de esclerose múltipla e ficar com alguma sequela neurológica. Então, não deveria acontecer. Esse medicamento é usado para prevenir surtos, então, se ficar sem ele, a pessoa fica sem a prevenção e pode ter a ativação da doença. Não se sabe se ela vai ter ou não, mas ela fica sob risco”, conclui o médico. 


FONTE:https://www.em.com.br/app/noticia/bem-viver/2021/02/23/interna_bem_viver,1240168/governo-de-mg-confirma-falta-de-remedio-contra-esclerose-multipla.shtml

Entenda por que os idosos têm mais problemas urinários .

19 fevereiro, 2021


Com o avanço da idade, a preocupação com a saúde se torna mais necessária e presente na vida de homens e mulheres. Ao passar dos 60 anos, a frequência de consultas e exames de rotina tende a aumentar, uma vez que a idade se torna um fator de risco para muitas doenças e o acompanhamento deve ser mais habitual e cuidadoso.


Segundo a Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), os idosos têm maiores chances de desenvolver doenças urológicas a partir dos 65 anos, sendo 10% dos homens e 20% das mulheres nessa faixa etária acometidos. A partir dos 80, o risco está relacionado a quadros mais com poucos sintomas,  que dificultam um diagnóstico precoce e até mesmo diminuem a chance de sucesso do tratamento.


Dentre as doenças do trato urinário que mais afetam a terceira idade, destacam-se, além da infecção urinária, as alterações no hábito urinário. A bexiga hiperativa, também conhecida como “bexiga irritada”, é uma das principais causas de alteração da micção nesta população, e se apresenta como a vontade repentina e urgente de urinar. A infecção urinária é uma das doenças que mais incomodam as pessoas acima dos 60 anos, que pode ser mais comum nas mulheres mais jovens, mas que se torna comum também dentre os homens a partir desta idade.


Nos homens, o aumento benigno da próstata – que não significa câncer – é uma das principais causas de incômodo urinário. Apesar do rastreio e acompanhamento para detecção precoce do câncer de próstata ser importante por este ser a doença maligna mais comum dentre os homens, o crescimento benigno da próstata é uma condição extremamente comum podendo acometer até 50% dos homens a partir dos 50-60 anos.


Identificando os problemas urinários


Para um diagnóstico precoce e tratamento eficiente, é importante procurar um médico assim que perceber mudanças na rotina de ir ao banheiro, seja para mais ou para menos. Mais recomendado ainda é ter um acompanhamento com o urologista, especialidade que trata do sistema urinário, de modo a entender o que são padrões urinários aceitáveis ou não, e poder receber o tratamento adequado quando indicado sem atraso e prejuízo da qualidade de vida do homem.


O especialista no assunto, o urologista Dr. Willy Baccaglini, explica quais são as principais queixas dos idosos nas consultas. “Nos homens, levantar-se durante a noite para urinar é a queixa mais comum. A partir dos 50 anos, os homens diminuem a produção do hormônio antidiurético e, naturalmente, começam a urinar com mais frequência durante a noite. Um idoso urinar até duas vezes é normal, uma vez que a produção do hormônio diminui”, detalha.


Além disso, o especialista pontua um caso que requer atenção. “Quando um homem se levanta a noite muitas vezes para urinar, principalmente aqueles mais jovens, com 40-50 anos, tendo que produzir no trabalho no dia seguinte sem um sono de qualidade, isso pode se tornar um grande problema. Além do jato fraco, a incapacidade de esvaziar totalmente a bexiga é outro sintoma comum”, afirma, ressaltando que a frequente vontade de urinar de repente é um dos sintomas mais alarmantes e incômodos para o homem.


Estatisticamente, as mulheres sofrem mais com problemas no trato urinário, sendo esse número ainda mais significativo com o avanço da idade. Além de outros fatores, a menopausa pode acabar contribuindo para o desenvolvimento da incontinência urinária. “Isso ocorre porque, na menopausa, a mulher deixa de produzir estrogênio que pode se relacionar ao enfraquecimento na musculatura do assoalho pélvico, o que torna mais difícil conter a urina e contribuir para o surgimento da incontinência”, explica Baccaglini.


É melhor prevenir


Todo mundo já ouviu, pelo menos uma vez na vida, a frase “é melhor prevenir do que remediar”. E de fato é. Na prática, fazer consultas de check-up e ter um acompanhamento médico antes de identificar algo de errado no corpo é o primeiro passo para garantir uma vida mais saudável. Dessa forma, o que for plantado ainda na juventude, resultará em uma velhice com mais disposição e vitalidade.


Culturalmente, as mulheres costumam frequentar mais o médico, enquanto os homens tendem a evitar. Os números das pesquisas comprovam: segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 69% dos homens procuraram um médico em 2019. Em comparação, 82% das mulheres se consultaram no mesmo ano.


No caso do trato urinário, o exame de próstata, por exemplo, ainda é um tabu para muitos, o que pode prejudicá-los, conforme explica o urologista. “O homem, por essa questão menos permissiva de autocuidado, normalmente se acostuma com os sintomas que se instalam ao longo dos anos. Quando ele percebe, já está urinando muito mal, mas já se acostumou a viver dessa forma” explica Baccaglini, ressaltando que, urinar muitas vezes durante o dia é um mau sinal, pois a bexiga pode não estar sendo esvaziada da maneira correta.


Algumas das principais causas de infecção urinária são naturais do corpo humano, como o caso do crescimento da próstata nos homens e a menopausa nas mulheres. Na população feminina, o número de partos e a forma como foi a assistência aos partos também podem interferir. Em outros casos, obesidade, diabetes e doenças coronarianas podem colaborar para o surgimento de problemas urinários e esses, sim, podem ser evitados, senão ao menos o controle destes fatores pode facilitar o tratamento caso surjam os sintomas urinários.


Interferências neurológicas


Outro fator que se relaciona com as doenças urinárias, principalmente a ITU, é o surgimento de doenças neurológicas, como Alzheimer, esclerose múltipla ou AVC. Esse tipo de doença pode desregular o funcionamento da bexiga, trazendo complicações no funcionamento do trato urinário.


“A bexiga depende da coordenação entre cérebro, medula e a própria bexiga. A bexiga é um órgão que age, mas também transmite sinais para o cérebro entender o que está acontecendo lá embaixo. Esses sinais são transmitidos da bexiga para o cérebro e do cérebro para a bexiga através da medula. E quando há alguma doença neurológica seja no cérebro tal como um AVC, seja na medula como a esclerose múltipla, o paciente por vir a desenvolver sintomas urinários”, detalha o especialista.


A saúde e bem-estar dos idosos é um reflexo dos hábitos de uma vida inteira. Por isso, é importante ter uma vida saudável para chegar bem à terceira idade. Dessa forma, para evitar infecções urinárias ou problemas de micção, fica clara a importância da prevenção e acompanhamento, que garantem uma maior qualidade de vida na terceira idade e um envelhecimento mais saudável.


Fonte: https://panoramafarmaceutico.com.br/2021/02/19/entenda-por-que-os-idosos-tem-mais-problemas-urinarios/

Ensaios Testando Evobrutinibe Agora Recrutando.

18 DE FEVEREIRO DE 2021 


Dois ensaios clínicos globais de Fase 3 que testam o medicamento oral experimental evobrutinibe estão recrutando participantes com formas recorrentes de esclerose múltipla (EM).


Os dois estudos concebidos de forma idêntica -  EVOLUTION RMS 1 ( NCT04338022 ) e EVOLUTION RMS 2 ( NCT04338061 ) - estão recrutando especificamente pessoas com EM com idades entre 18 e 55 anos.


Coletivamente, os estudos pretendem recrutar 1.860 pessoas com tipos de EM recidivante , especificamente EM remitente-recorrente ( EMRR ) e EM progressiva secundária ativa ( SPMS ).


Os testes estão recrutando em locais ao redor do mundo. A lista completa de locais norte-americanos para ambos os ensaios estão disponíveis no Sclerosis Society Multiple Nacional website ; listas completas de localização e detalhes de contato estão disponíveis nos respectivos links. 


Os participantes dos estudos precisarão fazer visitas pessoais aos locais de estudo. 


Precauções estão sendo tomadas para ajudar a manter os participantes seguros durante as visitas pessoais no contexto da pandemia COVID-19 . 

O evobrutinibe é uma terapia oral experimental de MS que está sendo desenvolvida pela Merck KGaA (conhecida como  EMD Serononos EUA e Canadá). 

O medicamento funciona bloqueando a atividade de uma proteína chamada tirosina quinase de Bruton (BTK), que está envolvida na ativação de células do sistema imunológico, principalmente células B.


Ao bloquear o BTK, o evobrutinibe se destina a reduzir a atividade imunológica, reduzindo assim a inflamação que causa danos ao sistema nervoso (o cérebro e a medula espinhal) na EM. O evobrutinibe é um dos vários medicamentos inibidores de BTK que estão sendo testados na EM.


Os ensaios evolução são comparando a segurança e eficácia de evobrutinib à da Sanofi 's Aubagio (teriflunomida), um tratamento aprovado para o MS. Assim como o evobrutinibe, Aubagio atua reduzindo a atividade imunológica, embora por meio de diferentes mecanismos biológicos.


Os participantes nos estudos EVOLUTION serão designados aleatoriamente para tratamento com evobrutinibe (tomado duas vezes ao dia) ou Aubagio por 96 semanas (quase dois anos). 

Os participantes também receberão um placebo correspondente aos medicamentos que não foram designados para tomar durante esse período. Então, por mais 12 semanas, todos os participantes serão tratados com evobrutinibe.


O desfecho primário desses estudos - a principal medida usada para avaliar a eficácia - é o efeito do tratamento nas taxas anuais de recidiva. Piora da deficiência, atividade da doença em exames de ressonância magnética, função física, fadiga e segurança também serão avaliados.


Os testes EVOLUTION são patrocinados pela Merck Healthcare KGaA, uma afiliada da Merck KGaA.


A Merck anunciou resultados positivos de um estudo de extensão de Fase 2 com evobrutinibe no ano passado, que indicou que o tratamento com a terapia experimental reduziu as taxas de recaída em pessoas com EM recorrente.

FOI USADO TRADUTOR GOOGLE NESSA POSTAGEM.

FONTE:https://multiplesclerosisnewstoday.com/news-posts/2021/02/17/ms-trial-alert-investigators-recruiting-for-two-phase-3-trials-of-experimental-evobrutinib-in-relapsing-ms/

"Doença do silicone": veja tudo o que se sabe até agora.

 


Entenda o que é a "doença do silicone" seus sintomas o que se sabe até então sobre a síndrome.


De acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), a colocação de prótese de silicone nas mamas ainda é a cirurgia estética mais requisitada entre as brasileiras. Segundo o último levantamento da sociedade, feito em 2018, a busca pelo aumento das mamas representava 18,8% dos procedimentos, ficando à frente da lipoaspiração (16,1%) e da abdominoplastia (15,9%).


No entanto, nos últimos anos, tem se observado um fenômeno contrário surgindo entre as mulheres, especialmente as influenciadoras digitais: a busca pela remoção das próteses, chamada de "explante".

Indo além das questões estéticas, a causa por trás desse movimento de busca pela retirada dos implantes envolve relatos de mulheres que começaram a listar sintomas físicos e emocionais que tiveram após a cirurgia plástica. Isso alertou tanto a comunidade médica sobre uma possível doença ligada ao silicone, quanto mulheres que já fizeram ou sentem vontade de fazer a cirurgia.


Conversamos com especialistas para entender, afinal, o que é a "doença do silicone", quais seus sintomas, riscos e o que já se sabe sobre o tratamento dela até agora.


O que é a "doença do silicone''?


A síndrome de ASIA - síndrome autoimune/inflamatória induzida por adjuvantes -, ou "doença do silicone", como é conhecida popularmente, refere-se a um conjunto de sinais e sintomas que se dá em pacientes submetidos a um estímulo externo, como a vacina, adjuvante de vacinas (hormônios, alumínio, entre outros) ou a prótese de silicone.


Segundo Luís Felipe Maatz, cirurgião plástico, especialista em Reconstrução Mamária pelo Hospital Sírio-Libanês e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), apesar de existirem estudos, ainda não há muito esclarecimento e respaldo científico sobre a síndrome.


"Ainda não há evidência científica suficiente que possa afirmar categoricamente que essa síndrome realmente exista, uma vez que o desenvolvimento de reações autoimunes em pacientes com implantes de silicone é similar ao da população em geral, segundo os estudos disponíveis", explica o cirurgião.


Na teoria e até onde os estudos apontam, após o contato com o estímulo desencadeante (implantes mamários, vacinas), pacientes geneticamente suscetíveis poderiam desenvolver uma resposta autoimune que levaria ao início de sinais. Os sintomas relatados são dor articular, dor no corpo, cansaço, distúrbios no sono e perda de cabelo.


"Doença do silicone": diagnóstico e estudos.


O médico e pesquisador israelense Yehuda Shoenfeld foi o primeiro a agrupar tais sinais e sintomas numa única síndrome. Segundo ele, para classificar a síndrome ASIA, os critérios são:


Fraqueza muscular

Artralgia e/ou artrite

Fadiga crônica, sono não repousante ou distúrbios do sono

Manifestações neurológicas (especialmente associadas com desmielinização)

Alteração cognitiva, perda de memória

Febre

Boa seca

Aparecimento de autoanticorpos dirigidos contra o adjuvante suspeito

Outras manifestações clínicas (ex.: síndrome do cólon irritável)

Surgimento de uma doença autoimune (ex.: esclerose múltipla, esclerose sistêmica)

Segundo Fernando Amato, cirurgião plástico e membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP), ter em seu corpo uma prótese de silicone já é um risco, independentemente se é um implante mamário ou que fique em algum outro local do corpo.


"Pessoas com antecedentes pessoais e familiares de doenças autoimunes (do sistema imunológico) têm um risco aumentado", diz o médico.


A maioria das doenças ou síndromes leva anos para ser melhor compreendidas, como é o caso da "doença do silicone".


"Até o momento não existem evidências suficientes de que exista uma relação direta de causa e efeito entre as próteses de silicone e os inúmeros sintomas relatados na síndrome", ressalta o cirurgião Luís Felipe Maatz.


Sem silicone, sem doença?

Contudo, por outro lado, como explica o médico, há relatos de pacientes que, ao serem submetidos à retirada das próteses, observam melhora ou resolução de sintomas. Dessa forma, a avaliação individual de cada paciente é imprescindível, a fim de excluir a possibilidade de outras doenças que podem causar os mesmos sintomas.


"A cirurgia de retirada das próteses (explante) pode ser considerada como opção, em conformidade com o desejo da paciente e seu entendimento de que os sintomas poderão, eventualmente, continuar", diz o cirurgião.


Antes da cirurgia, pense bem

A cirurgia de aumento das mamas é geralmente de curta duração, de baixo risco e com recuperação habitualmente rápida.


De acordo com o cirurgião Luís Felipe Maatz, é importante que se pesquise bastante sobre o procedimento, o local da cirurgia e sobre o profissional (que deve ser um cirurgião plástico habilitado com título de especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica).


É também necessário se atentar às contraindicações à prótese, como doenças sistêmicas descompensadas, ou à anestesia, além daquelas relacionadas às mamas, como período de amamentação atual ou recente e algumas doenças mamárias ativas.


Contudo, optar pelo implante de silicone vai além dos pré-cuidados e contraindicações médicas: é uma questão de autoaceitação, autopercepção e também de entender e avaliar quais os impactos do procedimento para a autoestima.

FONTE:https://www.minhavida.com.br/beleza/materias/37017-doenca-do-silicone-veja-tudo-o-que-se-sabe-ate-agora