TRATAMENTO PRECOCE ASSEGURA QUALIDADE DE VIDA PARA PORTADORES DE ESCLEROSE MÚLTIPLA...

Estudo realizado em 20 países identificou que com diagnóstico prematuro o nível de incapacidade física provocada pela doença se manteve baixo...



Aos 25 anos, a estudante Ilana Castro sentia um formigamento estranho do lado direito do corpo. Rosto e dentes também doíam muito desse lado e a mão direita experimentava um peso constante. Em algumas das suas idas aos médicos em busca de um diagnóstico e tratamento, ela ouviu que o problema era odontológico ou resultado de crises de sinusite. Depois de uma consulta com um neurologista e muitos exames, finalmente, a jovem descobriu a causa dessa pane no lado direito: a esclerose múltipla (EM).

Apesar do assombro do diagnóstico, o tratamento feito com uma substância imunorreguladora chamada de Interferon tem permitido que a jovem dê continuidade à formação universitária e leve uma vida bem próxima da normalidade. “Na verdade, quem não me conhece, não desconfia que haja nada de errado, por isso mesmo, é necessário que as pessoas conheçam e saibam que é possível viver com esclerose múltipla”, completa.

O exemplo de Ilana ilustra o resultado de um estudo dos Comitês Americano e Europeu para Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla em Boston, Massachusetts, que, ao longo de 11 anos, comprovou que o tratamento precoce com betainterferona-1b diminui os efeitos das complicações motoras e sensitivas dos pacientes em estágio inicial da doença, que atinge o sistema nervoso central e afeta o cérebro e a medula espinhal, interferindo na capacidade de controlar funções como andar, falar, urinar e outras. A Associação Brasileira de Esclerose Múlti pla(Abem) estima que, atualmente, existam 35 mil brasileiros com essa doença crônica que costuma acometer mais mulheres que homens, entre os 20 e os 50 anos. 

 Estudo

O estudo, realizado em 20 países com 278 pacientes, identificou que, com diagnóstico prematuro e tratamento precoce, o nível de incapacidade física provocada pela doença se manteve baixo e estável, com média de 2.0, o que caracteriza incapacidade mínima. Além disso, a taxa de recaídas também foi reduzida. Os resultados mostraram que o início do tratamento nestes pacientes adiou o desenvolvimento da esclerose múltipla clinicamente definida (CDMS) - e desacelerou o declínio cognitivo mensurado com o Pasat (Paced Auditory Serial Addition Test – Pasat), uma medida da função cognitiva que avalia a velocidade e flexibilidade do processamento de informação auditiva, assim como habilidade de cálculo. Esses dados sinalizam que quanto mais cedo for iniciado o tratamento da doença, maior será o retorno positivo para os portadores.

De acordo com o neurologista e professor da Universidade Federal da Bahia Ailton Melo, a grande vantagem dessa medicação que, no Brasil, é distribuída pelo Sistema Único de Saúde, reside no fato de impedir que o paciente tenha muitos surtos da doença. “A cada surto, o paciente sofre mais danos no sistema nervoso central, com esses danos, há uma chance grande dele ter comprometimentos definitivos como a perda da visão ou até mesmo dos movimentos de pernas e braços”, diz.

Atualmente, a evolução da esclerose múltipla pode ser medida pelo grau de inabilidade física, como na Escala Expandida do Estado de Incapacidade de Kurtzke (EDSS), que se utiliza de oito sistemas funcionais para a classificação. Os sistemas são: piramidal, cerebelo, tronco cerebral, sistema sensorial, intestino e bexiga, visão, cérebro, outros. A partir da avaliação desses, os neurologistas determinam uma pontuação que vai de 0 – exame neurológico normal – a 10 – paciente totalmente incapacitado no leito, que não comunica, não come nem deglute, resultando morte por esclerose múltipla.

Causas

A esclerose múltipla é uma doença autoimune onde células do próprio organismo (células T) agridem o sistema nervoso. Embora a medicina não consiga dizer com precisão, acredita-se que ela possa ter um fundo genético, ambiental ou parasitária.

“Acredita-se que os caucasianos estariam mais vulneráveis ao problema uma vez que em países como a Alemanha, por exemplo, existam 200 portadores da doença para cada 100 mil habitantes quando, na Bahia, a proporção é de cinco casos para cada 100 mil habitantes”, explica o médico, lembrando que o sol e as condições sanitárias funcionariam como uma proteção.

Postar um comentário