OSTEOPOROSE...COMO INDENTIFICAR...TRATAR E PREVENIR

#UnidosSomosMaisFortes

23/07/2016

Quando não estão fortes, os ossos quebram com mais facilidade. É basicamente isso que faz a osteoporose, doença que reduz a densidade e a qualidade do esqueleto, aumentando o risco de fraturas. 

É muito associada aos idosos – especialmente as mulheres –, mas também pode ocorrerem pessoas mais jovens que não mantenham uma ingestão mínima diária de componentes como cálcio e vitamina D, fundamentais para a formação e manutenção dos ossos.

COMO IDENTIFICAR

Silenciosa, a osteoporose não dá sinais claros de que está atingindo os ossos. Como não apresenta sintomas, só costuma ser identificada após uma fratura. 

Quem suspeita que pode ser afetado pela doença – seja por idade avançada, histórico familiar ou baixa ingestão de cálcio – pode se certificar com um exame de densitometria óssea. 

Recomenda-se que esse teste, sob orientação médica, seja feito a cada dois anos em mulheres que já passaram da menopausa e em homens idosos.

COMO PREVENIR

É preciso manter uma alimentação equilibrada, ingerindo cálcio e outros nutrientes em doses diárias adequadas, tomar sol por curtos períodos e em horários seguros, manter exercícios físicos na rotina. Alguns comportamentos, como consumir bebidas alcoólicas em excesso e fumar, podem acelerar a perda da massa óssea. Fundamental até o início da idade adulta para criar um esqueleto forte e, depois, para mantê-lo, o cálcio precisa fazer parte da alimentação desde a primeira infância.
O mineral pode ser encontrado em produtos como laticínios, nozes e vegetais escuros.

COMO TRATAR

A osteoporose não tem cura, mas com medicamentos, alimentação adequada e atividade física, o primeiro osso quebrado pode também ser o último. Os remédios  atuam para fixar o cálcio no osso, diminuindo o risco de fraturas, mas só surtem efeito se acompanhados da ingestão regular de nutrientes que fortalecem o esqueleto.

Convivendo com a doença

Pessoas com osteoporose podem manter uma vida normal: a doença, apesar de fragilizar os ossos, não causa grandes desconfortos, como dor. 

É preciso, porém, fazer alguns ajustes no estilo de vida, mantendo hábitos saudáveis, e na rotina, procurando evitar quedas. É importante tornar a casa mais segura, tomando cuidado com tapetes, fios soltos, chão escorregadio e objetos no chão.

Fontes: Rodolfo Schneider, geriatra e chefe do Serviço de Densitometria Óssea do Hospital São Lucas da PUCRS; Paulo Piccoli, gestor do Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Mãe de Deus; Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (Abrasso)


Postar um comentário