PRESSÃO REDUZIDA...

19 de setembro de 2015

ESTUDO...
Resultados preliminares de pesquisa indicam que manter a pressão arterial abaixo do recomendado pode salvar vidas

Atualmente, se o medidor de pressão arterial indicar menos de 140 milímetros de mercúrio (mmHg), você não tem motivos para se preocupar. 

No entanto, se os resultados preliminares de um estudo americano divulgado na semana passada forem confirmados, a condição que indicar se você está hipertenso pode mudar.

Uma pesquisa do Instituto Nacional de Saúde (NIH, na sigla em inglês), dos Estados Unidos, concluiu que manter os níveis de pressão arterial abaixo do limite recomendado pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares e de morte para adultos acima dos 50 anos. 

Atualmente, a pressão alta é diagnosticada uma vez que a medição atinge ou passa de 140 por 90.

Empolgados com as primeiras conclusões do estudo, os cientistas anteciparam a divulgação da pesquisa que estava prevista para o próximo ano. 

Eles afirmam que, se os resultados comprovarem o que se verificou até agora, é possível que as diretrizes para tratar a hipertensão passem por mudanças.

– Talvez eles tenham divulgado precocemente algumas conclusões como forma de alerta. 

Mas é importante esperar a publicação completa na literatura médica para que possamos analisar o que pode ser feito para buscar níveis de pressão mais baixos – comenta Mário Wiehe, médico do Serviço de Cardiologia do Hospital Moinhos de Vento.

Quanto menor, melhor

Desde 2010, mais de 9,3 mil adultos acima de 50 anos com pressão alta participam dos testes. 

As pessoas foram divididas em dois grupos tratados com medicamentos: 

o primeiro com o objetivo de manter a pressão abaixo de 140 e o segundo para reduzi-la a pelo menos 120. 

Os participantes do primeiro apresentaram menos risco de problemas cardiovasculares (30%) e também menos risco de morte (25%), em comparação ao grupo que manteve os níveis de pressão mais altos.

Wiehe concorda com a afirmação da equipe americana ao divulgar as conclusões prévias da pesquisa: quanto menor, melhor. 

Mas o cardiologista adverte para que essa indicação seja considerada desde que não resulte em efeitos adversos como fraqueza, mal-estar, tonturas ou desmaios – sintomas conhecidos por quem sofre com pressão baixa.



Acertando os ponteiros

Atualmente, a pressão arterial considerada normal é inferior a uma medição de pressão de 120 por 80 mmHg. Um adulto é considerado hipertenso quando seus níveis de pressão arterial estiverem acima de 140 por 90 mmHg.

Para pessoas diagnosticadas com diabetes ou doença crônica renal o limite é de 130 por 80 mmHg. Também há mais tolerância para os idosos com mais de 80 anos: até 150 mmHg é considerado normal.

De acordo com o estudo, manter a pressão abaixo de 120 mmHg pode reduzir em 25% o risco de morte.

Postar um comentário